Buscar

Plano de negócios: entenda o que é e como fazer o seu

Atualizado: Mai 2



Introdução

De acordo com o estudo Demografia das Empresas e Estatísticas de Empreendedorismo, divulgado em 2019 pelo IBGE, 21% das empresas no Brasil quebram após o primeiro ano de atividade. Além disso, o estudo mostra que apenas 47,2% das sobreviventes permanecem em funcionamento após 4 anos de operação, e uma das principais causas apresentadas foi a falta de um planejamento inicial.

Assim, entramos no post dessa semana: Plano de Negócios, que é a principal ferramenta de gestão para evitar erros desnecessários e mitigar os riscos do negócio. Com ele, se obterá as principais estratégias e informações do mercado, como:

  • Ramo;

  • Produtos e Serviços vantajosos;

  • Clientes ideais;

  • Concorrentes e Fornecedores;

  • Principais pontos fortes e fracos do negócio.


O que é um Plano de Negócios?

Decidir entrar de cabeça no mundo do empreendedorismo e criar seu próprio negócio é o sonho de muitas pessoas, porém, como pudemos observar anteriormente, é comum novos empreendedores passarem por dificuldades no início dessa jornada por falta de um planejamento prévio. Além da ideia inicial, é necessário avaliar cuidadosamente os custos, os riscos e o mercado que se deseja adentrar, planejando assim o futuro da empresa.

Diante disso, Plano de Negócios é um documento onde se planeja e define onde se quer chegar com a empresa, além do caminho que seu negócio irá tomar para completar seus objetivos. Com as metas no papel, pode-se prever certas situações e riscos, podendo, dessa forma, efetuar uma análise minuciosa e traçar a melhor estratégia para alcançar a visão do empreendedor.

Com ele, determina-se se uma ideia tem potencial para entrar no mercado, organizando os detalhes da operação e as necessidades gerenciais e financeiras da empresa. Ter um plano prévio é estar preparado para lançar um produto ou serviço, saber como será distribuído e vendido e antecipar adversidades que irão aparecer no caminho.

Além disso, um bom Plano de Negócios permite identificar falhas na percepção inicial e pontos onde se tem pouco conhecimento técnico, dando oportunidade para o aperfeiçoamento. É olhar de outra forma o conceito do empreendimento, permitindo análises mais aprofundadas, tornando o negócio mais sólido e deixando o caminho mais claro para o gestor da empresa.

Dessa forma, é possível avaliar a viabilidade da sua ideia e definir os principais pilares de gestão da empresa.

Por que devo fazer um Plano de Negócios?

O Plano de Negócios é uma peça chave para identificar a viabilidade do seu projeto, auxiliando na identificação de gargalos e, como dito anteriormente, permitindo ampliar a visão do mercado em si. Ademais, ajuda a identificar a necessidade de financiamento do projeto, em quanto tempo pode se obter o retorno do investimento, qual a real necessidade de capital e etc.

Por diversas vezes, temos uma ideia que pode parecer tão atraente e inovadora que os obstáculos não ficam aparentes e claros, e isso é mais comum que se imagina. Assim, a ferramenta permite uma visão precisa do real potencial do empreendimento.

Dessa maneira, pode-se cometer estes erros apenas no papel, evitando perceber que a ideia é inviável quando a empresa já está em operação e todo seu capital já foi investido. Muitos projetos inovadores falham em sua materialização e é para evitar tais erros que o Plano de Negócios existe.

Como elaborar um bom Plano de Negócios?

Criar um Plano de Negócios exige paciência, pesquisa e tempo, pois sua montagem vai desde a definição da missão, visão e valores, até os objetivos mais específicos do funcionamento da empresa. Dessa maneira, nada melhor que o próprio empreendedor estudar o mercado e definir todas as variantes de perto.

A seguir, vamos descobrir o que é preciso constar nesse documento e como dar início em seu Plano de Negócios.

Iniciando o Plano de Negócios

Conhecer o seu ramo de atividade, definir produtos, avaliar se este vai ser um negócio digital ou tradicional, analisar o público-alvo e perfil dos clientes, fornecedores, forma jurídica e enquadramento tributário são medidas que auxiliam o empreendedor na tomada de decisão.

Para dar início ao Plano de Negócios faremos primeiramente uma análise de mercado.

Análise de Mercado

Analisar o mercado é uma das primeiras etapas na confecção de um Plano de Negócios, uma vez que é fundamental saber quem são os clientes, concorrentes e fornecedores. Além disso, definir quem é seu público-alvo e saber qual o perfil do seu cliente é fundamental para se economizar recursos e dar um tiro certeiro no objetivo da empresa.

Após definir e traçar o público-alvo, é necessário pensar no posicionamento do produto e da empresa: como sua ideia será vista pelo mercado? Uma opção de custo-benefício ou uma opção Premium?

E para responder essas questões fazemos as seguintes pesquisas:

- Estudo de Clientes

  • Meus clientes são pessoa física ou jurídica?

  • Qual a faixa etária, gênero, escolaridade e estado civil deles?

  • Com que frequência eles costumam comprar o meu tipo de produto ou serviço?

  • Onde compram?

  • O que os leva a procurar por esse produto ou serviço?

- Análise de Concorrentes

  • Qual é a qualidade do produto ou serviço do meu concorrente?

  • Como está o preço?

  • Como é o atendimento prestado?

  • O que faz com que clientes comprem com eles?

  • O que faz com que clientes deixem de comprar? Qual é o diferencial do meu negócio?

  • O que fará com que os clientes comprem comigo e não com os concorrentes?

- Pesquisa de Fornecedores

  • Do que eu preciso e quem são os fornecedores?

  • Quais estão oferecendo o melhor preço e condições de pagamento?

  • Quais são as quantidades mínimas de pedido para cada um deles e como isso se enquadra no meu plano?

  • Qual é o prazo de entrega?

  • Onde os fornecedores estão localizados?

É fundamental ter essas informações, pois caso alguma das perguntas acima esteja com resposta inconclusiva, talvez seu mercado ainda não exista, tornando sua ideia inviável.

Além disso, os resultados dessas pesquisas irão traçar um retrato do mercado e indicar se a empresa está indo na direção de seus clientes. Essas informações irão ditar as ações de promoção e marketing, a fim de conquistar o público logo início de sua operação.

Plano de Marketing

Marketing é essencial para qualquer empresa, e é a capacidade de gerar valor para seu cliente. Fazer marketing é agregar todas as funções que fazem com que um produto ou serviço oferecido por uma empresa seja adquirido pelo consumidor, ou seja, é um conjunto de atividades desenvolvidas pela empresa para que atenda as necessidades dos clientes.

Identificar como o cliente prefere ser abordado é essencial, além de conhecer a fundo seu produto, que é o principal no momento da venda.

Essas atividades podem ser classificadas e são traduzidas nos 4 Ps do Marketing, que são:

- Produto

  • O que eu oferto? O que é o meu produto ou serviço e como eu posso descrevê-lo? Como ele se destaca da concorrência?

- Preço

  • Por quanto oferto meu produto? O preço está adequado à qualidade?

- Praça

  • Onde oferto meu produto? Vou vender em loja física ou online? Haverá entrega?

- Promoção

  • Como oferto meu produto? Como o cliente saberá que o meu produto existe?

Essa etapa é primordial para compreender, explorar e identificar todas as possibilidades de divulgação e de atração de clientes de forma passiva. Com um bom plano de marketing é possível identificar as preferências do cliente e como ele se relaciona com seu meio. Assim, a venda poderá ocorrer com maior facilidade.

Plano Operacional

O plano operacional se refere a toda parte prática do negócio. Nele será descrito todo o funcionamento do empreendimento, processos de venda ou prestação de serviços, indicadores de produtividade, cargos e estrutura organizacional com o perfil mais adequado para cada cargo.

Para se ter uma visão mais ampla, pense nos seguintes pontos:

  • Tempo demandado para a realização do processo de venda ou prestação de serviço;

  • Quantidade e qualificação dos funcionários;

  • Produtividade dos equipamentos e materiais necessários;

  • Capacidade de distribuição e armazenamento;

  • Disponibilidade e prazos dos fornecedores.

O mapeamento dos processos operacionais da empresa é primordial nessa fase, pois assim é possível observar pontos de gargalo na operação. Além disso, caso for abrir uma loja física ou escritório, adicione uma planta baixa do layout escolhido, pois imagens são mais fáceis de se compreender.

Plano Financeiro

Após ter analisado todas as variáveis de mercado do empreendimento, chegou a hora do plano financeiro. Nessa etapa, serão colocados em números os resultados de todas as pesquisas feitas anteriormente, verificando assim a viabilidade econômico-financeira da ideia. Essa é a etapa essencial para compreender a possibilidade de abertura, manutenção ou expansão do negócio e quanto será investido para que toda a estrutura da empresa funcione corretamente.

Verificar os custos e fazer uma projeção de receitas é fundamental para que nenhum grande imprevisto ocorra. Dessa forma, um bom plano financeiro deve conter:

  • Investimento total;

  • Estimativa de investimentos fixos;

  • Capital de giro necessário;

  • Estimativa do faturamento mensal;

  • Estimativa do custo unitário de matéria-prima;

  • Estimativa dos custos de comercialização;

  • Apuração do custo dos materiais diretos e/ou mercadorias vendidas;

  • Estimativa dos custos com mão de obra;

  • Demonstrativo de resultados;

  • Indicadores de viabilidade:

  • Ponto de equilíbrio;

  • Lucratividade;

  • Rentabilidade;

  • Prazo de retorno do investimento.

Análise e Simulação de Cenários

Após todas as pesquisas elaboradas, é necessário uma análise dos possíveis cenários. Essa etapa é fundamental para não ser pego de surpresa em cenários improváveis, como o que estamos vivendo atualmente.

Sendo assim, é importante fazer-se perguntas hipotéticas a fim de projetar respostas e soluções estratégicas. É comum a utilização de três cenários: um otimista, um pessimista e um realista.

Os cenários que se pode imaginar são os mais diversos, porém os mais comuns são:

  • Vendas abaixo do esperado;

  • Crise econômica;

  • Novos concorrentes.

Avaliação

Pronto! Agora seu Plano de Negócios está completamente estruturado. Antes de finalizá-lo pare um momento, revise e reflita se seu plano está completo e se as informações estão claras. Verifique suas simulações e projeções, corte custos desnecessários ainda no papel, se possível, e, dessa forma, será possível preparar-se para as mais diversas situações e riscos.

Conclusão

O papel do Plano de Negócios é responder uma única pergunta: vale a pena me arriscar e investir meu capital neste empreendimento? Se a resposta for sim, invista e entre de cabeça no mundo do empreendedorismo!

Lembre-se: empreender é sempre um risco e nenhum negócio pode escapar disso, nem o seu.

E aí, gostou? Quer saber mais sobre esse e outros assuntos? Fale conosco por meio da nossa página no Instagram ou pelo contato do nosso site.

Veja também nosso último post sobre Análise de Mercado!

______________________

Texto escrito por Gabriel Lima

187 visualizações